Homenagem à memória do Dr. Alberto Alexandre Albuquerque Costa

Vila Franca de Xira,13 de dezembro de 2015, uma data sonhada com momentos de amizade, de amor, plenos de poesia…

Três horas da tarde, o elevador transportou-nos ao 3º andar da Biblioteca Municipal, onde ficámos mais próximos das estrelas e juntos, mais longe da solidão. Depois, todos descemos ao rés-do-chão, onde, lá fora as nuvens, cheias de romantismo, tinham-se vestido em tons de cinza para acordar o Tejo que sonhava abraçado à menina dos seus olhos, a grandiosa biblioteca Fábrica das Palavras. Em seguida, entrámos num átrio espaçoso, mas acolhedor e fraterno, num ambiente de receção aos que procuram a cultura. Dirigimo-nos depois ao fantástico auditório, e logo o nosso olhar fotográfico registou ali momentos de eterna magia: um espaço amplo, cheio de cor, repleto de amantes da poesia, pessoas que têm dentro de si a beleza das palavras e o amor.

A presidente da Palavra Cantada – Associação de Cultura, Maria Gomes, abriu a sessão, e antes de proceder à transmissão de uma homenagem de reconhecimento e orgulho à memória do fascinante e talentoso sócio fundador, Alberto Alexandre Albuquerque Costa e da apresentação da coletânea literária em sua homenagem, a música vinda das maravilhosas vozes dos Vocal Mix, que parecia vinda do Céu, criou o ambiente propício que nos levou à transcendência e onde a seguir a poesia deambulou pela sala. Neste clima o tempo foi aquecido, dando lugar aos sentimentos e às emoções presentes nas palavras que voavam bem alto, cantando: dor, sonho, aventura, ilusão, amor…

O som de uma nova melodia do promissor coro Vocal Mix, foi fonte de inspiração para a abertura da segunda parte, que se efetivou com a entrega dos prémios do concurso literário Alves Redol, de homenagem a este inexcedível escritor.

Seguidamente, a música, agora a fechar a magnitude do evento, expressa nos sentimentos e beleza das palavras das homenagens, na leitura de poemas e no conto de história de vida, que foram animando cada momento.
Por fim, a despedida culminou na expressão dos abraços fraternos, acarinhando a amizade e suavizando a ausência.

Finalmente, estes poetas do coração e da alegria, estes amantes da cultura e da arte, partiram já com saudade, certamente para mais tarde regressarem, a fim de partilharmos novamente o amor da Palavra Cantada.

CONTOS, Quina - Crónica correio do leitor. «Jornal Voz Ribatejana».(06 Janeiro 2016)129